ESCRITORA LIZ CLARA DIVULGA CARTILHA COM MEMÓRIAS SOBRE IDOSOS NO PROGRAMA “TEMPO DE ESPERANÇA”

ESCRITORA LIZ CLARA DIVULGA CARTILHA COM MEMÓRIAS SOBRE IDOSOS NO PROGRAMA “TEMPO DE ESPERANÇA”

Posted by Rádio Advento | 4 de julho de 2016 | Blog

A obra é definida pela autora como um álbum de recordações que além das fotos é composto pela história da família.

No último sábado de março, dia 28, a rádio Advento recebeu a presença da Assistente Social Liz Clara. A escritora de uma obra intitulada “Trabalho com pessoas idosas: metodologia da comunicação, falou sobre as novas cartilhas de pessoas na terceira idade.

Imagem_3198282

A obra é definida pela autora como um álbum de recordações que além das fotos é composto pela história da família. Um dos últimos trabalhos desenvolvidos foi a cartilha da sua mãe que está com 92 anos. “Nesta idade, muitas pessoas esquecem os acontecimentos recentes e lembram apenas dos antigos, é um dos principais sintomas do Alzaimer”, explica Liz. Os questionamentos partiram da lembrança estatística da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) de 2013, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 18 de Setembro de 2014 pelo site g1.globo.com, que mostra que a tendência de envelhecimento do país, o número de pessoas no Brasil acima de 60 anos continua crescendo: de 12,6% da população, em 2012, passou para 13% no ano passado. Já são 26,1 milhões de idosos no país. A Assistente Social respondeu que esta estimativa maior se deve a qualidade de vida e as oportunidades oferecidas. Os dados se seguiram com a afirmativa segundo o Global AgeWatch Index 2013, da organização não-governacional Help Age International, que luta pelos direitos dos idosos,  que o Brasil se encontra na 31ª posição no ranking dos países que oferecem melhor qualidade de vida e bem-estar a pessoas com mais de 60 anos. Os indicadores consideram quatro áreas-chave: garantia de renda,saúde, emprego e educação, e ambiente social. No entanto, no quesito emprego e educação para pessoas entre 55 e 64 anos empregadas, e o grau de instrução dos idosos, o país teve o seu pior desempenho, ficando em 68° lugar. Já nas categorias saúde e ambiente social, obteve as 41ª e 40ª colocações, respectivamente. A entrevista atestou que mesmo com o serviço hospitalar domiciliar, ainda existem muitos avanços a ser alcançados. “Hoje os idosos já estão incluídos na era digital, trabalham, mas principalmente praticam atividades físicas, viajam, namoram e estão mais vivos do que nunca, idade frágil, é só para uma minoria, pois a grande parte destes senhores e senhoras estão mais vivos do que nunca”, conclui a especialista que deixou uma poesia riquíssima autoral no final da entrevista, para homenagear essas pessoas que vivem e sonham com esperança de mais respeito e carinho por parte da sociedade.

Reticências…

Liz Clara Campos

Na vida a gente passa e o que fica é nossa história e a marca de nossos passos. Às vezes passa a lembrança e o que fica somos nós, sem saber do que passou. Além do óbvio, existe o que é o nosso viver. Bem mais fácil seria descomplicar a vida e amar sem limites. Ah! Se soubesse desse caminho! Sem o meu querer, mergulhei solidão, como um trem que vai perdendo os vagões pelo caminho. Ao redor tudo parece normal, mas aos poucos outros vagões se vão e os que restam adentram numa espessa neblina e tudo vai ficando pra trás: as lembranças bem distantes que sobrevivem também começam a se distanciar. Os rostos queridos, as mãos que afagavam, os risos das crianças, tudo vai ficando esquecido, num porta retrato que já não faz sentido. Se tivesse como voltar esse tempo, evitaria tantas lágrimas e tantas mágoas seriam esquecidas, amaria muito mais, meus tombos teriam outro sentido e poderia rir muito mais. Olho pela janela saio a caminhar, respiro o ar fresco de um resto de chuva. Ao meu lado vejo outras pessoas nesse mesmo caminhar. O que fazem elas aqui? Alguém segura minha mão, me sinto bem e também seguro a mão de outro alguém, não sei quem é, não sei se ela sabe quem sou, não sei se sabemos quem somos. Só que sei o que sinto e isso me move, é bom agora recordar, é bom brincar, é bom falar e estar com vocês. Amanhã é outro dia e levo comigo essa doçura, esse abraço, esse aconchego. Talvez não lembre de vocês, mas peço um favor: se eu lá estiver, seja quando for, não esqueçam de mim, mesmo quando eu já nem lembrar do que é ser feliz…

contatos; lizclara12@hotmail.com – 43)9968-5736- lizclarablogspot.com.br

Add a comment

*Please complete all fields correctly